Contratar um seguro ou entrar para uma associação de proteção veicular?

7 minutos para ler

Devido às condições precárias das estradas e rodovias, à baixa segurança e à pouca fiscalização e à falta de infraestrutura, os caminhoneiros ficam expostos diariamente aos riscos de sofrerem acidentes de trânsito, de serem vítimas da ação de bandidos ou de terem prejuízos maiores com a manutenção do veículo.

Por esse motivo, todos os profissionais ativos nessa área reconhecem a necessidade de recorrer aos seguros automobilísticos para garantir a proteção do caminhão. No entanto, existem outros meios interessantes de alcançar esse objetivo. Podemos citar como exemplo a participação em uma associação de proteção veicular.

Ambos são bastante eficientes, pois, além de garantirem a proteção do seu caminhão, permitem que você cumpra sua função com total tranquilidade. Mas, então, fica a dúvida: qual deles é o melhor? Para respondermos a essa pergunta, preparamos este artigo com as principais diferenças entre os seguros para o caminhão e para a associação de proteção veicular. Acompanhe a leitura!

Como funciona o seguro auto para caminhão?

A proposta do seguro auto é garantir para o proprietário do caminhão o ressarcimento parcial ou total do veículo em casos de acidentes e roubos. Nessa hipótese, a amplitude do seguro vai depender do tipo de cobertura escolhido pelo contratante.

Isso porque existem coberturas específicas para incêndios, acessórios, danos causados a terceiros, estragos na carroceria e despesas extras que incluem até funeral. Diante dessa variedade de opções, o contratante do seguro de caminhão deve analisar com calma a sua realidade para optar pela cobertura que mais atende às suas necessidades.

Vale ressaltar que o valor do seguro será determinado conforme o tipo de cobertura e a quantidade de riscos envolvidos. Isso porque, quanto mais riscos houver, maior será o valor do seguro do veículo. Devido à seriedade desse assunto, frisamos a importância de você saber escolher a seguradora. Antes de fechar o contrato, verifique se é confiável e procure saber sobre sua reputação e sobre o tempo de experiência no mercado para não correr o risco de cair em um prejuízo ainda maior, ok?

Além disso, é muito importante que você saiba que a seguradora leva em consideração alguns critérios para precificar o seguro contratado, tais como:

  • idade: a idade do caminhoneiro é levada em consideração pois entende-se que motoristas mais velhos apresentam menores chances de se envolver em um acidente. Nesse caso, o valor do seguro será mais baixo;
  • sexo: devido às várias comprovações de que o público feminino se envolve em menos acidentes de trânsito, o preço do seguro para as mulheres também é mais baixo;
  • cidade/região: é fato que, em alguns lugares, o índice de roubo de carga é maior do que em outras regiões. Logo, esse fator também tem influência na determinação do preço.

Outra questão que você precisa analisar antes de assinar o acordo com a seguradora é o valor da franquia, que nada mais é do que o valor que você assumirá antes de recorrer aos serviços da seguradora. Analisar essa questão com calma é importante porque o valor muda conforme o que for decidido. Além disso, não se esqueça de verificar bem o que foi estabelecido na apólice. Esse documento é a oficialização dos riscos que foram discutidos e aceitos no contrato.

Como funciona a associação de proteção veicular?

A associação de proteção veicular é uma alternativa nova, mas que tem atraído diversos integrantes devido à sua proposta eficiente e econômica. Esse modelo de sociedade nada mais é do que uma associação sem fins lucrativos composta por caminhoneiros que assumem o compromisso de dividir entre si todos os custos oriundos de danos provocados nos veículos em um determinado período de tempo.

Sendo assim, a contribuição se dá por meio de um rateio que permite que todos os custos referentes à proteção e à segurança do veículo sejam distribuídos entre os membros da associação. Então, assim como o seguro auto, a proteção veicular por associação também cobre danos oriundos de colisões, incêndios, roubos, enchentes etc. 

Nesse caso, a associação surgiu com a proposta de solucionar problemas sérios de forma rápida, eficiente e menos burocrática a fim de garantir que os integrantes do grupo não fiquem, em hipótese alguma, no prejuízo.

Quais são as diferenças entre seguro auto e proteção veicular?

Embora o seguro auto e a associação de proteção veicular tenham a mesma finalidade e ofereçam coberturas semelhantes, existem algumas diferenças entre eles. Veja só!

Adesão

O seguro auto é considerado mais burocrático que a associação de proteção veicular. Isso porque, depois de inspecionar o veículo e cotar o preço, a seguradora dá início a uma avaliação que autorizará a liberação do seguro. Logo, esse processo pode durar alguns dias e a vigência da apólice só passa a valer após o pagamento da primeira parcela.

Enquanto que, na associação de proteção veicular, o associado tem a proteção do seu veículo garantida assim que o contratante efetua o pagamento da taxa e assina o contrato de adesão. Esse processo ocorre de forma bastante rápida mesmo que haja necessidade de fazer a cotação e a inspeção do caminhão.

Apólice

A apólice é um documento que registra todos os direitos e deveres das partes envolvidas no acordo. Sendo assim, quando o contratante escolhe o seguro auto, a apólice determina que todos os riscos sejam transferidos para a seguradora.

Já na associação de proteção veicular, no lugar da apólice, é utilizado um contrato que determina que todos os associados são responsáveis pelo veículo um do outro. Dessa forma, todas as despesas são divididas entre os membros do grupo.

Regulamentação

No seguro auto, a regulamentação é feita pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) e pela Superintendência de Seguros Privados (Susep). Nesse caso, o Ministério da Fazenda fica responsável por supervisionar o setor de seguros e, por isso, realiza constantes fiscalizações. Logo, é obrigatório que as seguradoras sigam uma legislação específica para continuarem exercendo as suas atividades no mercado.

Por outro lado, a associação de proteção veicular não está submetida a nenhuma regulamentação governamental, por isso, está isenta de fiscalização. Nesse caso, os próprios associados é que determinam as regras de funcionamento do grupo.

No entanto, devemos deixar claro que o fato de não estar submetida a uma regulamentação específica não significa que não há necessidade de agir conforme um código de ética. Sendo assim, uma associação deve respeitar as diretrizes do Código Civil.

Coberturas

As coberturas oferecidas pelo seguro e a proteção veicular são bastante semelhantes. O que difere uma da outra tem relação com as coberturas adicionais oferecidas pela seguradora que nem sempre são incluídas nos acordos entre os associados.

Portanto, essas são as principais diferenças entre seguro auto e associação de proteção veicular. Então, para acertar na escolha, é preciso considerar os prós e os contras de cada uma das alternativas e analisar a sua realidade e a necessidade. Uma dica que pode ajudar muito nesse processo de decisão é procurar saber a opinião de outros caminhoneiros que já contrataram o seguro ou que já foram membros de uma associação de proteção veicular.

Gostou deste artigo e quer saber mais sobre o assunto? Então, leia o nosso outro post sobre seguro para caminhão.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.