Aprenda a calcular os custos de um caminhão parado

6 minutos para ler

Todo caminhoneiro que atua com o transporte de cargas sabe que ter um caminhão parado pode gerar diversos gastos para a empresa, como atraso no itinerário, multas e ressarcimentos. Afinal, um veículo de trabalho somente gera lucro quando está em atividade.

No entanto, tanto os empresários quanto os motoristas desconhecem a forma correta de realizar o cálculo de um veículo parado, bem como o que diz a lei sobre o assunto. Por isso, continue lendo este artigo e entenda os principais prejuízos de deixar um caminhão sem rodar, além de outras informações valiosas de como evitar essa situação. Acompanhe!

Quais os prejuízos gerados por um caminhão parado?

Quem trabalha com o transporte de cargas sabe que o tempo em que o caminhão permanece parado pode resultar em prejuízos. Isso porque, quanto maior o período ocioso de espera na fila para descarregar, mais custos serão gerados para a empresa, pois o acúmulo excessivo de horas pode se converter em serviços extras, aumento do frete, mudanças de itinerários e entregas fora do prazo.

Somado a isso, ainda podemos citar outros tipos de prejuízos, tais como:

  • Perda de oportunidades: acontece devido ao tempo excedido no momento de carregar ou descarregar uma mercadoria e acaba saindo da programação de viagens e perdendo a oportunidade de novos serviços, resultando em um lucro reduzido.
  • Diária do motorista: o caminhão parado ainda pode trazer despesas diárias com o motorista, sendo que as principais delas são a estadia e a alimentação.

O que diz a lei sobre o assunto?

Tanto para a transportadora quanto para o motorista é conveniente que o processo de carga e descarga seja realizado de maneira mais rápida. No entanto, no dia a dia pode haver ocasiões que acabem dificultando esse critério, levando ao limite o tempo de espera.

Diante disso, a Lei nº 13.103/2015 estabelece que o prazo limite para a execução de carga e descarga seja de até 5 horas a partir do momento da chegada do veículo. Após esse período, mesmo com o caminhão parado, o custo operacional continua sendo calculado, fazendo com que o tempo de espera excedido deva ser ressarcido.

O custo que excede o tempo limite é cobrado por hora/tonelada, mas não é uma quantia fixa, pois todos os anos há uma variação de reajuste estabelecida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor).

Além disso, vale ressaltar que o contrato deve ser firmado incluindo o valor do frete para poder confirmar se o tempo de carga e descarga foi ultrapassado, resultando em taxas por horas adicionais. O recomendado é adquirir uma documentação que comprove o horário de chegada e saída do local, para que, caso o tempo seja excedido, haja a garantia da taxa de ressarcimento.

O fornecimento desse documento ao transportador é obrigatório por lei, mas caso isso não ocorra, haverá imposição de multa que poderá chegar a 5% do valor da carga, aplicada pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres).

Como diminuir os custos com paradas?

Para reduzir os custos com paradas além das necessárias, é importante que a empresa adote alguns cuidados. Primeiramente, deve-se atentar para os problemas mecânicos, isto é, garantir a manutenção preventiva da frota, a fim de eliminar quebra de peças e possíveis acidentes que possam resultar no caminhão parado.

Outro ponto é estabelecer, no contrato, o tempo limite para carga e descarga das mercadorias, como também incluir o valor do frete e fazer com que os responsáveis pelos procedimentos operacionais possam ter o conhecimento sobre o assunto.

Além disso, investir em softwares e rastreadores de caminhões para o acompanhamento de rotas é uma ótima opção. Isso porque ele permite obter relatórios com o tempo de parada e descolamento, e ainda acompanhar a entrega da carga.

Como calcular os custos gerados por um caminhão parado?

Conforme foi dito, o caminhão parado gera custos, além do ressarcimento garantido por lei. Contudo, a legislação não estabelece uma taxa exata, sendo importante o transportador entender como calcular esses gastos de maneira correta para não ser surpreendido.

Diante disso, o cálculo se baseia no custo da hora parada (CHP), levando em consideração três fatores principais:

  • custo fixo mensal do caminhão (CFM) — como manutenções, despesas e seguro;
  • número do total de horas trabalhadas com o uso do caminhão em um mês;
  • taxa de remuneração e administração do serviço — determinada pelo caminhoneiro/transportador, como custos com ajudantes.

Com esses dados, é possível realizar o cálculo. Para isso, basta dividir o custo fixo mensal pelo número do total de horas trabalhadas e, em seguida, multiplicar pela taxa de remuneração.

Para exemplificar, suponha que o veículo seja utilizado 250 horas por mês e a sua taxa de remuneração chegue a 0,9. Assim, a conta deve ser realizada utilizando a fórmula do seguinte modo: CHP = CFM / (250 x 0,9). Considerando que o valor do CFM seja de R$ 1.600,00, o cálculo seria o seguinte:

CHP = CFM / 225

CHP = 1.600 / 225

CHP = 7,11

Nesse exemplo, o custo de um caminhão parado por hora ficaria em R$ 7,11. Dessa forma, ao realizar o cálculo considerando os valores de sua empresa, é possível obter o valor gasto de imobilidade do caminhão e evitar prejuízos pelos descumprimentos de prazos determinados.

Qual a importância de um bom planejamento?

Para garantir que nem a empresa, nem o caminhoneiro levem prejuízos, é importante realizar um bom planejamento para a gestão de frota. Para isso, é necessário observar a operação de maneira detalhada para notar o que pode estar tornando a rotina diária automática e com geração de custos.

Com isso, é possível verificar o que é necessário ser melhorado e planejar as ações que visam diminuir os gastos. O ideal é traçar rotas mais eficientes, analisando os possíveis caminhos existentes e como melhorá-los para evitar atrasos de deslocamento e a chegada ao local de carga e descarga de produtos.

Assim, um planejamento eficiente resulta em ações bem mais simples, fazendo com que os imprevistos de um caminhão parado possam ser resolvidos de maneira ágil, visto que essa medida foi pensada previamente, evitando maiores prejuízos e garantindo a qualidade dos serviços prestados.

Este artigo foi útil para você? Tem alguma dúvida sobre o assunto? Então, deixe o seu comentário para que possamos ajudá-lo a reduzir os custos com esta e com outras operações.

suvesa mercado shops
Você também pode gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.