Conheça agora as principais tendências de combustível alternativo!

6 minutos para ler
Powered by Rock Convert

Eficiência energética e sustentabilidade: essencialmente, são termos e conceitos complementares. É com isso em mente que aproveitamos este artigo, em que apresentamos os impactos da utilização de combustível alternativo no setor de transportes.

Afinal de contas, esse é um segmento altamente tradicional, tanto nas escolhas do consumidor quanto nas abordagens de engenharia adotadas pela indústria. No entanto, a urgência por sustentabilidade se mostra compatível com a necessidade por economia, motivando a transformação do setor. Acompanhe!

O conceito e as características do combustível alternativo

Em um primeiro momento, é importante entender o que é um combustível alternativo. Basicamente, são soluções desenvolvidas a partir de uma matéria-prima de livre utilização, que não tem sua extração rigidamente controlada por nenhum país.

Por conta disso, esse recurso primário também costuma ser encontrado em abundância na natureza, possibilitando uma produção inteligente e sustentável em longo prazo. A utilização de um combustível alternativo costuma se basear em dois pilares: economia e sustentabilidade.

O primeiro é um fator bastante lógico, já que essas soluções costumam apresentar alguma vantagem financeira para a operação, seja no menor consumo, seja no menor custo operacional de abastecimento por quilômetro rodado.

Já em um segundo instante, temos o fator sustentabilidade, que destaca o impacto positivo que essa atitude tem sobre o meio ambiente. Isso porque prevê a utilização de um recurso que não é fóssil, que teve um processo de extração limpo e, por consequência, causando menos impacto sobre o meio ambiente.

Os principais combustíveis alternativos no mercado

Agora, vamos ao ponto central deste artigo. Abaixo, reunimos as principais soluções alternativas do segmento global.

Enquanto algumas já contam com adaptações disponíveis no mercado nacional, outras ainda estão em fase de desenvolvimento e pesquisa, dentro das próprias montadoras. Dê uma olhada!

Biodiesel

Logo de início, temos uma solução de rápida popularização. O biodiesel entrega vantagens pontuais, provocando baixos índices de poluição como o resultado de sua queima — sobretudo quando comparamos com as marcas do diesel convencional, emitindo 66% menos dióxido de carbono (CO²).

Quimicamente, essa solução é composta por elementos orgânicos originados em gordura vegetal ou animal. O combustível final é o resultado da reação química de transesterificação, um procedimento que provoca a reação entre álcool e ácido carboxílico.

Gás natural

Popularmente conhecido como GNV, o gás natural nada mais é do que o gás metano, originalmente encontrado na crosta terrestre. Em um primeiro momento, ele é extraído desses depósitos de gás ou em alguma etapa paralela à extração de petróleo.

Logo aqui, muitos podem argumentar: mas o gás natural é um recurso fóssil, como ele pode ser alternativo e sustentável? Bem, ele se apresenta como uma alternativa às soluções convencionais, como o diesel e a própria gasolina.

Mas a sustentabilidade se dá por conta do efeito de sua queima, que é significativamente mais limpa do que o combustível tradicional. Comparando com o diesel convencional, o GNV emite 20% a menos dióxido de carbono na atmosfera.

Biogás

Já aqui, temos uma solução realmente alternativa, normalmente produzida a partir da reutilização de resíduos do esgoto. Apesar de contar com a mesma composição química do gás natural, o biogás recebe esse nome por ser uma fonte de energia renovável.

Isso significa que a matéria-prima necessária para a sua produção é infinita e está em constante produção. No entanto, diferente da solução fóssil, o biogás emite até 90% menos CO² do que o diesel tradicional.

Luz solar

Basicamente, uma solução primária para a eletrificação do veículo, funcionando como um método híbrido para a alimentação do motor elétrico. Até o momento, essa abordagem não encontrou muita tração na indústria de veículos pesados, já que a exigência energética para o deslocamento é muito mais alta do que as os painéis conseguem fornecer.

Além disso, vale notar que a aplicação de energia solar ainda encontra obstáculos geográficos, em que as condições climáticas de alguns países podem ser limitantes para o uso da tecnologia, comprometendo seu potencial de popularização.

Eletricidade

Por último, mas também importante, a eletrificação total. A própria Scania já trabalha em algumas soluções para ônibus e caminhões que podem ser introduzidas ao futuro do mercado.

Assim, oferece um deslocamento integralmente limpo, sem nenhuma emissão de gases poluentes, com torque imediato e funcionamento silencioso. Essas são todas as qualidades de destaque da indústria de automóveis elétricos.

Os riscos de adaptações negligentes

No desejo de implementar uma solução alternativa, muitos proprietários acabam pagando o preço de adaptações mal realizadas, que não obedecem aos padrões específicos para esse tipo de modificação. Pensando nisso, reunimos abaixo as principais consequências de uma adaptação negligente. Confira!

Multas

Em um primeiro instante, o proprietário pode se ver vítima de uma série de multas e infrações, por conta de alterações visualmente perceptíveis pelos agentes de fiscalização.

Basicamente, qualquer alteração que ponha o condutor e os terceiros em risco encontrará no CTB (Código de Trânsito Brasileiro) alguma justificativa legal para penalizar o proprietário.

Quebras

Para além disso, como o próprio termo sugere, as adaptações negligentes ignoram os parâmetros básicos de segurança e performance da engenharia. Assim, redimensionam a potência e o desgaste sobre componentes que não estão preparados para lidar com condições operacionais diferentes daquela que foram projetados.

Como consequência, isso provocará um efeito desgastante severo sobre o conjunto mecânico do veículo, que perderá durabilidade. Em algumas situações, pode perder o próprio direito ao período de garantia — uma vez que é perfeitamente racional que as montadoras se isentem de responsabilidade sobre um caminhão adulterado.

Acidentes

Por fim, como em um efeito cascata ao risco anterior, o proprietário se sujeita a maior probabilidade de acidentes, causados por quebras, panes e falhas inesperadas no meio da estrada. Esse é um risco catastrófico, não somente pelo impacto negativo sobre o condutor, mas sobre todos os demais afetados pela negligência do proprietário.

Nesse contexto, é importante frisar que a busca por um deslocamento sustentável e econômico é uma atitude correta, mas é fundamental que ela seja viabilizada por meio de procedimentos éticos e responsáveis. Por conta disso, é importante que o consumidor interessado nessas adaptações sempre priorize os caminhões que já contam com a compatibilidade de fábrica.

Você gostou deste artigo explicando o conceito de combustível alternativo? Lembrou-se de outros exemplos importantes sobre o tema? Então, aproveite para enriquecer a discussão com os demais leitores, comentando a sua opinião abaixo!

Você também pode gostar

Deixe um comentário