O que você precisa saber sobre o pagamento do IPVA de caminhão

7 minutos para ler
Powered by Rock Convert

Com a transição para um novo ano, muitos brasileiros começam seus planejamentos. Afinal, esse é um período repleto de gastos, sobretudo quando consideramos os temidos impostos. Hoje, aproveitaremos o artigo para falar de um tema especial, em que explicamos tudo o que você precisa saber sobre o IPVA de caminhão.

Aqui, apresentaremos curiosidades, como o conceito e o propósito desse imposto, além de demonstrar as vantagens do pagamento em dia e as de seu atraso. Desse modo, garantimos que você esteja preparado para tomar as melhores decisões financeiras, iniciando o novo ano com tudo em dia. Vamos lá!

O conceito do IPVA

A sigla em si representa o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores, sendo um tributo de arrecadação estadual obrigatório a todos que possuam um veículo terrestre motorizado, tais como carros, picapes, caminhões, ônibus, motos e afins.

Implementado ainda em 1989, o IPVA extinguiu a antiga TRU, a Taxa Rodoviária Única. No entanto, aqui temos um ponto de discussão que favorece o antigo tributo. Afinal de contas, a TRU tinha seus gastos obrigatoriamente canalizados a investimentos de infraestrutura, transporte e mobilidade urbana.

Já o IPVA não conta com nenhuma obrigação vinculante, com sua arrecadação podendo ser gasta de maneira livre pelas decisões de cada Governo Estadual. Ainda que isso permita maior flexibilidade de caixa, possibilitando que os Governadores trabalhem com maior margem sobre pendências urgentes, a falta de um orçamento exclusivo às estradas é, em certa parte, responsável pela pavimentação de baixa qualidade ao longo do país.

As exceções podem ser testemunhadas em trechos rodoviários gerenciados por empresas que arrecadam pedágio. Nesse tipo de consórcio, apesar da despesa extra sobre o motorista, não há como negar a qualidade das estradas que contam com um valor dedicado à sua manutenção e desenvolvimento.

Para além disso, também é interessante analisar a distribuição do IPVA. Assim como muitas pessoas acreditavam que sua arrecadação cuidava apenas das estradas, muitos também desconhecem o método de separação desses recursos.

Basicamente, a boa maioria dos estados adotam um sistema 50/50, em que metade do valor vai para a reserva do estado, enquanto a outra parte é destinada ao caixa do município desse contribuinte. Assim, se garante que os municípios recebam recursos na mesma proporção que seu número de contribuintes.

A importância de pagar o IPVA de caminhão em dia

Agora, vamos a um ponto crucial para os profissionais das estradas, seja você o dono de uma frota ou um caminhoneiro autônomo e individual. O importante aqui é que se conheça as principais curiosidades no tema, evitando irregularidades e inconveniências que possam prejudicar o andamento do seu trabalho. Confira!

Antecipação

Sem sombra de dúvidas, a melhor de todas as estratégias é a antecipação. Apesar de conhecermos os desafios econômicos para o caminhoneiro manter sua operação rentável e organizada, nós precisamos bater nessa tecla: quanto maior sua disciplina e melhor o seu planejamento, mais preparado você estará para fazer um bom ano na estrada.

Por isso que o primeiro grande detalhe é planejar o pagamento do IPVA no próximo ano, economizando aos poucos ao longo dos meses, garantindo que com a chegada de 2021 você já tenha a reserva separada para um pagamento à vista. No fim das contas, a disciplina financeira nada mais é do que a capacidade de comprar a sua tranquilidade no futuro.

Cálculo

Agora, chegamos a outro ponto importante para o caminhoneiro ou gestor da frota. Afinal de contas, apesar do cálculo ser simples, existem muitos profissionais que apenas esperam a chegada do talão de boletos, sem ter previsibilidade nenhuma de quanto será cobrado.

Pois bem, o primeiro detalhe a notar aqui é a alíquota praticada no seu estado. Para os caminhões, essas taxas são menores, flutuando entre 1% e 1,5%. Basicamente, isso significa que o valor do IPVA equivale a esse percentual do preço de mercado do seu caminhão. Então, vamos a alguns exemplos:

  • equação: Valor do caminhão x Alíquota do IPVA = Valor do IPVA;
  • valor do caminhão: R$150 mil;
  • estado que cobra 1% = 200.000 x 0,01 = IPVA de R$2.000;
  • estado que cobra 1,5% = 200.000 x 0,015 = IPVA de R$3.000.

Pronto, agora basta aplicar as variáveis da sua realidade, inserindo o valor de mercado do seu caminhão e a taxa cobrada no seu estado. Como pôde ver, é uma conta bastante simples e rápida que garante previsibilidade imediata sobre uma despesa futura.

Contabilidade

No entanto, é muito importante que o profissional tenha uma visão ampla sobre o tema. Afinal de contas, o IPVA não é a única despesa operacional do caminhoneiro. Em paralelo, também é interessante somar custos burocráticos de regularizações, seguros e demais pendências que podem ser pagas em cota única.

Reserva

Esse é um ponto complementar ao tópico antecipação. Caso você planeje esse custo com um ano de antecedência, poderá reservar a quantia necessária para o pagamento à vista. Caso não saiba, o pagamento em cota única é muito vantajoso do ponto de vista financeiro, pois alivia o peso sobre as contas mensais do caminhoneiro, além de conferir um desconto simbólico ao pagamento do imposto, normalmente em torno de 3%.

Quitação

Por último e mais importante, o momento da quitação. De uma maneira geral, esse é o ponto mais variável em todo o tema, pois diferentes estados adotam diferentes calendários para o pagamento desse imposto, sempre vinculando o último número da placa com a data desse pagamento.

Como exemplo, utilizaremos o calendário praticado em Santa Catarina para o IPVA de 2020:

  • placa de final 1: pagamento em cota única pode acontecer no último dia de janeiro, enquanto o parcelado inicia com vencimento em 10 de janeiro;
  • final 2: cota única no último dia de fevereiro, enquanto o parcelado inicia em 10 de fevereiro;
  • final 3 a 9: o mesmo funcionamento, vinculando o número da placa com o mês do ano, tanto para a cota única como para a primeira parcela;
  • final 0: cota única no último mês de outubro, enquanto o parcelado inicia em 10 de outubro.

As consequências provocadas pela negligência desse imposto

Por fim, vale lembrar do prejuízo operacional causado pelo não pagamento do imposto. Em um primeiro momento, podemos destacar o transtorno, pois digamos que você atrasou por pouco tempo, apenas por uma questão momentânea.

Ainda que não sofra nenhuma consequência severa, ainda precisará lidar com os trâmites do DETRAN para gerar uma nova guia para o pagamento, prejudicando o andamento da sua rotina. No entanto, também vale lembrar das consequências mais graves, como a apreensão do caminhão.

Nesse caso, além da dívida aumentar proporcionalmente ao tempo de atraso, o profissional ainda precisará custear a retirada do caminhão do pátio da polícia — que também aumenta de forma proporcional ao tempo que o veículo está lá parado.

Pois bem, você gostou deste post explicando o IPVA de caminhão? Lembrou-se de outra curiosidade ou detalhe importante no tema? Então aproveite a chance para enriquecer a discussão deixando a sua opinião logo abaixo!

suvesa mercado shopsPowered by Rock Convert
Você também pode gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.