Aprenda como trabalhar a logística reversa corretamente na empresa

7 minutos para ler

Já ouviu falar a respeito da logística reversa? Esse é um conceito que está se tornando cada vez mais popular no Brasil, em razão das amplas vantagens que são garantidas às transportadoras e aos proprietários de frotas que o implementam.

Apesar de ser relacionar com a logística convencional, a logística reversa apresenta uma série de particularidades. Por essa razão, nem todos os profissionais da área sabem como aplicar essa medida no campo prático, o que os impede de usufruir de todos os benefícios dessa estratégia.

Diante dessa realidade, preparamos este artigo para tratar melhor sobre o tema logística reversa, mostrando a você como trabalhar esse conceito de forma mais eficiente na sua empresa. Acompanhe!

O que é logística reversa, por que fazê-la e quais são seus tipos?

Também chamada de logística inversa, esse conceito diz respeito a um mecanismo que objetiva garantir o descarte adequado de embalagens e de materiais após a venda de produtos. Na prática, em vez de encaminhar esses itens para os lixões, por exemplo, os caminhões levam para operadores ou cooperativas de reciclagem.

Essa é uma ferramenta importante para auxiliar no desenvolvimento sustentável e na preservação do meio ambiente, garantindo um futuro de qualidade para as próximas gerações. Afinal, a sustentabilidade é um dever tanto das empresas como de seus consumidores, por isso elas buscam formas de engajar os consumidores a contribuírem com a prática.

Além da melhoria ao meio ambiente, ainda há outros benefícios que são aproveitados pelas empresas que aplicam a logística reversa, como:

  • melhor imagem no mercado: a organização pode explorar ações de marketing e gerar uma publicidade positiva ao enfatizar que realiza a logística reversa e contribui para o desenvolvimento sustentável;
  • engajamento dos clientes: as pessoas estão cada vez mais engajadas em ações sociais. Por isso, as ações de logística reversa podem gerar um vínculo mais forte com seu público;
  • economia: se viável, é possível retornar materiais para seu próprio estabelecimento e reaproveitá-los, reduzindo seus custos com aquisição de novos bens;
  • modernização do negócio: será necessário usar tecnologias que aumentem a eficiência logística, o que beneficiará outras operações da empresa.

Ressalta-se que existem diferentes tipos de logística reversa que podem ser praticados no Brasil. Os principais deles são:

  • pós-consumo: são buscados produtos descartados depois de uma compra;
  • pós-venda: é a devolução de produtos que não atenderam as expectativas dos clientes;
  • reuso: é um sistema que objetiva revender produtos devolvidos pelos consumidores;
  • engenharia reversa de bens inservíveis: componentes de embalagens ou produtos são separados para reciclagem.

Quais são as principais dicas para aplicar a logística reversa?

Há técnicas específicas que devem ser aplicadas para evitar gargalos no procedimento e garantir que ele seja eficaz. Conheça algumas delas a seguir!

Determine as políticas de retorno das mercadorias

Primeiro, deve-se criar uma política que traz todas as diretrizes, normas, funcionamento e outros aspectos relacionados à logística reversa. Exemplos de informações que devem estar no documento são:

  • objetivo principal da política;
  • quais resíduos se tornam perigosos e devem ter destinação adequada;
  • como os materiais serão buscados pela empresa ou enviados pelos clientes;
  • quais são as compensações oferecidas pelos consumidores;
  • os locais em que os materiais serão levados;
  • quais bens serão retornados à empresa para reaproveitamento; entre outras.

Alinhe os processos

Os processos da empresa precisam estar alinhados com a política de logística reversa criada. Para isso, é relevante que o documento seja feito de acordo com as características próprias da sua frota ou empresa, o que permitirá que o negócio o siga sem prejuízos.

Após, é preciso elaborar um planejamento para implementar o procedimento na rotina corporativa. Ele pode criar um cronograma que defina o início e o fim de todo o processo, designar um profissional ou equipe responsável, estabelecer um período de testes e o orçamento necessário para efetuar as etapas.

Conheça a legislação

Existem leis que tratam especificamente da logística reversa e devem ser seguidas pelos gestores de empresas e proprietários de frotas que realizarão o processo. As normas são:

Ainda há as Resoluções nº 5.848/19 e nº 5.232/16 da ANTT, bem como as resoluções nº465/14, nº 401/08, nº 416/09 e nº 362/05 do CONAMA.

É importante saber que a logística reversa é obrigatória para empresas listadas no artigo 33 da Lei nº 12.305/10. Basicamente, são os importadores, distribuidores, comerciantes e fabricantes dos seguintes bens:

  • agrotóxicos;
  • baterias e pilhas;
  • componentes de produtos eletroeletrônicos;
  • lâmpadas fluorescentes, de luz mista, de vapor de sódio e mercúrio;
  • óleos lubrificantes;
  • pneus.

Treine e capacite a equipe

Não basta que apenas o gestor ou proprietário da frota saiba como fazer a logística reversa. Como serão os colaboradores, motoristas e outros profissionais que realizarão a operação, eles precisam ser treinados e capacitados para realizá-la adequadamente.

Primeiro, eles precisam ser instruídos sobre a política de logística reversa. Para isso, faça cópias do documento e as entregue aos colaboradores, faça reuniões explicando seus detalhes e esteja à disposição para solucionar dúvidas. Também é possível investir em cursos e treinamentos de logística reversa à sua equipe.

Crie um canal de atendimento

É necessário deixar um canal de comunicação aberto tanto para os motoristas e funcionários como os clientes, assim eles poderão retirar quaisquer dúvidas que tiverem em relação à logística reversa. O atendimento fornecido também precisa de qualidade e rápido, caso contrário o usuário desistirá de usar o canal e incorrerá em erros.

Conte com uma empresa parceira

Há empresas que auxiliam donos de caminhões a solucionarem suas necessidades em relação à regularização, logística e outras questões. Nesse sentido, contar com o apoio de uma empresa parceira especializada, sem dúvida, é um diferencial bastante relevante na hora de implementar a logística reversa.

Por isso, vá em busca de empresas sérias, capazes de oferecer soluções para um transporte mais inteligente, conectado e sustentável, em conformidade com as melhores práticas do mercado.

Hoje, por exemplo, já existem softwares que fazem o acompanhamento e a análise de desempenho de caminhões. No mesmo sentido, existem empresas que treinam motoristas e oferecem planos de manutenção da frota em conformidade com os requisitos do fabricante e muito mais.

Use a métrica adequada

O proprietário ou gestor da frota deve aplicar a métrica chamada “Período do Ciclo de Logística Reversa”, que mede o tempo decorrido entre a identificação da carga ou produto até o encaminhamento para o destino correto. Caso o tempo seja muito longo, é importante tomar medidas para tornar o processo mais eficiente.

Apesar de ser uma obrigatoriedade para determinados ramos empresariais, é recomendado que todo gestor ou proprietário de caminhões invista na logística reversa, pois esse mecanismo trará inúmeros benefícios a ele. Porém, é crucial ter o apoio de uma parceira especializada para garantir que tudo corra da melhor maneira possível.

Que tal melhorar ainda mais a gestão de sua frota? Confira nosso conteúdo que explica as melhores medidas para reduzir os custos de logística!

suvesa mercado shops
Você também pode gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.