Motor de caminhão: Quais critérios devo usar para avaliar a troca?

7 minutos para ler

Motoristas e gestores conhecem os riscos e as consequências da ociosidade de um caminhão, principalmente se ele deixa de funcionar durante o trajeto. Caminhão parado na estrada significa aumento dos custos, descumprimento dos prazos, necessidade de remanejamento da frota e estresse. Por isso, é muito importante manter o cronograma de manutenção e permanecer com atenção ao “coração” do veículo, ou seja, ao motor de caminhão.

O motor apresenta grande durabilidade se comparado às outras peças. Seguindo o manual do proprietário, costuma ser possível trafegar por milhares de quilômetros sem precisar realizar a manutenção corretiva. Entretanto, isso não significa que o veículo não sofre desgaste. O motor é composto por muitas peças que entram em atrito durante o funcionamento e, após algum tempo, será preciso reavaliar suas condições de funcionamento.

O desgaste do motor de caminhão é determinado pelo seu uso e as avarias podem ser identificadas por alguns sinais. Comumente, os motoristas estão habituados ao veículo e conseguem perceber quando algo não vai bem, por isso o comportamento do condutor é determinante. Guiar desengrenado, acelerar e frear bruscamente ou rodar com marcha e rotação inapropriadas aceleram a necessidade de manutenção. Confira alguns indícios de que o motor precisa de reparos.

Frequência e valor das manutenções

Quando o veículo passa a requerer manutenções constantes e os custos começam a se elevar é hora de ligar o sinal de alerta e verificar qual a melhor solução.

Em alguns casos, a retífica (análise e substituição de alguns componentes, retirada de imperfeições, aferição da pressão cilíndrica, regulagem, limpeza, etc.) pode ser a melhor alternativa. Em outros, a recomendação é considerar a substituição parcial ou total do motor de caminhão. Como descobrir o que fazer?

O ideal é consultar a concessionária e solicitar a avaliação de um especialista. Além do estado do motor, outros quesitos são pautados. Observe:

  • disponibilidade de peças no mercado;
  • complexidade do reparo;
  • tempo necessário ao conserto;
  • período de ociosidade do caminhão.

Além desses fatores, é indispensável colocar na ponta do lápis os custos. Em alguns casos, o valor da retífica pode se aproximar consideravelmente ao de um novo motor parcial. Investir um pouco mais (se for o caso) poderá proporcionar economias a longo prazo, já que na retifica muitas peças mais deterioradas são “aproveitadas”.

Negociar com a autorizada também é sempre uma boa opção, afinal, eles entendem do assunto e podem até oferecer condições e preços especiais na hora do pagamento.

Presença de vazamentos

Os vazamentos são considerados os principais indicadores da necessidade de retífica ou troca do motor. Não seja negligente, pois cada quilômetro rodado poderá agravar a situação e gerar mais custos. A ausência de óleo no motor aumenta o atrito e, consequentemente, o desgaste das peças. Isso pode levar o motor a parar totalmente.

Caminhões que não estão em boas condições ou são demasiadamente antigos podem apresentar vazamentos. Além do motor, recomenda-se a revisão de outros sistemas, pois não é incomum o derramamento de fluidos de freios, de transmissão e de gás. Tenha atenção aos sinais dados pelo veículo e avalie, inclusive, a possibilidade de trocá-lo.

Emissão de ruídos

O ideal é parar o caminhão assim que algum ruído atípico for percebido. Similarmente ao vazamento de óleo, circular com o caminhão nessas condições acentua o dano. Popularmente, o barulho é conhecido como “batido de pinos”. Quando isso está acontecendo, há elevação da temperatura do motor, ocorrência de ranhuras nas peças e, se o reparo não for realizado, pode ser que os estragos nos pistões e cilindros se tornem irreversíveis.

Nos caminhões com idade avançada, a audição deve ser mais apurada, já que motores antigos tendem a ser demasiadamente ruidosos (além de poluentes). Ainda é importante ressaltar que a saúde e o conforto do motorista não podem ser esquecidos. Dirigir por longos períodos um caminhão muito barulhento, por exemplo, é prejudicial à saúde.

Expulsão de fumaça

Muita fumaça saindo do escapamento? Caso positivo, é necessário um diagnóstico diferencial. Cada tipo de fumaça pode sinalizar um defeito e na maioria dos casos a manutenção é indispensável. É importante que um profissional localize a falha. Problemas no sistema de injeção e em outros componentes aumentam a emissão de poluentes e elevam o consumo.

No motor de caminhão, o lançamento de fumaça escura pode apontar, por exemplo, o desgaste nos anéis do motor.

Redução do desempenho

Além dos sinais explícitos (como a fumaça e os barulhos) o motor de caminhão costuma perder a potência nos momentos em que a necessidade de reparo se aproxima. Embora seja silencioso, o declínio do desempenho costuma ser notado pelos motoristas logo que aparece, principalmente quando o caminhão está carregado. A degradação do motor devido ao uso é um dos principais fatores.

Após rodar muitos quilômetros, os anéis de pistão perdem sua capacidade de trabalho e a taxa de compressão do motor declina. Outros componentes também precisaram ser verificados, tais como as válvulas de admissão, o sistema de injeção, o escape dos cilindros e a presença de vazamentos. A mistura de ar e combustível proporciona a combustão correta. Por isso, a circulação de ar no motor também deve ser medida.

Esses sinais estão presentes no seu caminhão? Se um ou mais aparecerem não insista! Fazer uma manutenção o mais rápido possível evitará muitas dores de cabeça. Vale lembrar que o sucesso do conserto também depende de alguns fatores. Exatamente por esse motivo, a escolha de quem cuidará do seu instrumento de trabalho é determinante.

Escolha da oficina

O perfeito funcionamento do caminhão é condicionado pela interação de múltiplos sistemas e peças. Tanto o diagnóstico quanto a manutenção necessitam de conhecimentos especializados, tecnologias e ferramentas adequadas. Faça orçamentos e verifique a relação custo-benefício, mas leve mais que isso em consideração.

O ideal é optar sempre por peças originais, já que elas apresentam qualidade superior às “paralelas”. A garantia também muito importante. Não é possível investir tempo e dinheiro sem ter proteção caso aconteça uma eventualidade relacionada aos componentes ou à mão de obra. O recomendável é levar o veículo nas oficinas reconhecidas pelo mercado e que de fato conhecem as particularidades do caminhão. No momento da escolha, observe:

  • facilidade de agendamento e cumprimento dos prazos;
  • qualificação dos profissionais;
  • disponibilidade de peças originais e com garantia;
  • presença de ferramental adequado para os reparos;
  • garantia da mão de obra.

Não se esqueça que a escolha correta das peças e da mão de obra evitará novos gastos. Vale mais investir no reparo uma vez do que ter o transtorno de precisar refazer o serviço e trocar novamente algumas peças. Como o caminhão é um instrumento de trabalho, quanto menos tempo ele ficar parado, maior será o potencial da sua empresa.

Na presença de fumaça, vazamentos e outros indicativos, visite a concessionária e descubra o que deve ser feito para continuar trafegando com o caminhão em perfeitas condições. É fundamental garantir a segurança do motorista e estar em acordo com a legislação.

Pronto! Agora você já sabe o que precisa sobre a manutenção do motor de caminhão. Confira também como acertar no momento de escolher a oficina mecânica para caminhões.

Você também pode gostar

Deixe um comentário