Aprenda agora como fazer planejamento de rotas de forma eficiente

6 minutos para ler
Powered by Rock Convert

Organização, preparo e previsibilidade. Em um primeiro momento, até pode parecer que estamos listando as qualidades de uma boa operação no transporte de cargas. No entanto, esses são os principais benefícios do planejamento de rotas — um exercício indispensável para a sua eficiência operacional.

Por isso, aproveitamos a importância do tema para elaborar este artigo. O objetivo é explicar tudo que você precisa saber, esclarecendo o conceito do planejamento, as dicas para aprimorar esse processo e as consequências de negligenciar essa prática. Então, não perca tempo e acompanhe!

O conceito e a importância do planejamento de rotas

De uma maneira geral, todas as operações no setor logístico tendem a se beneficiar de uma estrutura de tarefas enxutas, transparentes e bem organizadas. Afinal de contas, essa é a única maneira eficiente de conduzir um setor repleto de detalhes, tecnicalidades e prazos.

Por essa razão, o planejamento de rotas, também conhecido como roteirização, é apenas uma das inúmeras peças no quebra-cabeça que é a gestão de frotas. O objetivo da prática, como sugere o nome, é garantir previsibilidade operacional, determinando os melhores caminhos a serem percorridos.

Como você sabe, no transporte de cargas, a qualidade de “melhor caminho” pode ser bastante flexível, pois é uma noção que varia conforme a prioridade da operação em determinada circunstância. Para evitar atrasos em prazos apertados, a melhor rota pode ser a mais curta.

No entanto, com prazos mais folgados e maior antecipação, a melhor rota tende a ser a mais segura, prática e econômica. Por isso que, além de garantir previsibilidade, o planejamento também serve como uma etapa de gerenciamento de riscos, em que se avaliam previamente os prós e contras de cada decisão.

No entanto, isso não é tudo. Além de ser fundamental para tornar a operação mais assertiva, pontual, econômica e produtiva, o planejamento de rotas também tem um papel determinante em garantir o alinhamento entre a gestão e os motoristas.

Afinal de contas, muitas frotas dependem de indicadores precisos para analisar a obediência e a disciplina de seus colaboradores. Além de outras razões, é para isso que servem os rastreadores, capazes de monitorar velocidade, paradas e geolocalização.

Com isso, a gestão ganha uma visão mais completa sobre a conduta dos caminhoneiros na frota, podendo corrigir desvios e posturas, conscientizando a equipe sobre a importância de seguir as orientações do planejamento.

As melhores dicas para aprimorar o seu planejamento de rotas

Agora que você sabe a importância da roteirização para a sua frota, chega o momento de conhecer as melhores estratégias para aprimorar tanto o planejamento de rotas quanto a qualidade operacional da sua equipe. Acompanhe!

Rastreie os veículos

Hoje em dia, o rastreamento veicular já deixou de ser uma tendência para se tornar uma necessidade, sobretudo por motivos de segurança. No entanto, rastrear as unidades da frota também é uma tática inteligente para acompanhar a obediência dos motoristas aos roteiros planejados.

No comando da frota, é fundamental garantir que o que você determina e o que é realizado nas estradas sejam exatamente a mesma coisa, pois é esse alinhamento que garante que as suas estratégias estão sendo colocadas em prática. O rastreamento permite monitorar esse aspecto da operação.

Mapeie os trajetos

Atualmente, já existem várias plataformas que facilitam o planejamento, indicando paradas, distâncias, pedágios e afins. Mas, além disso, é importante mapear as rotas selecionadas, sincronizando o trajeto com os dispositivos GPS em toda a frota, estimulando a obediência ao trajeto planejado.

Considere as restrições

No entanto, planejar rota não é apenas jogar ponto A e ponto B no Google e partir para a indicação apontada. Afinal de contas, o transporte de cargas é consideravelmente mais complexo que uma simples viagem em família. Por isso, é importante considerar as restrições específicas a cada local.

Como exemplo, existem as restrições dimensionais. Isso significa que você não pode indicar rotas com trechos e obstáculos que impeçam o progresso dos veículos da sua frota. Além disso, existem restrições locais, com horário de tráfego permitido ou fluxo restrito a apenas algumas vias da cidade.

Considere possíveis imprevistos

O planejamento de rotas também tem um pouco de gerenciamento de riscos. Por isso, é importante conscientizar e oferecer soluções práticas para os motoristas em situações específicas, como o que fazer na necessidade de troca de peças, em ocorrência de roubos, furtos e afins.

Apresente soluções alternativas

Essa dica complementa. Considerando os possíveis imprevistos, é importante definir, previamente, soluções com os motoristas, minimizando a ociosidade e reduzindo a necessidade de comunicação na resolução de problemas, como a tomada de um desvio inevitável e por aí vai.

Acompanhe indicadores e métricas de desempenho

A estatística é uma parte importante da gestão de frotas. Nesse sentido, é interessante conduzir a operação de maneira mais Data Driven, orientada por dados, interpretando os insights dos rastreadores para identificar pontos de melhoria e correção na atuação da frota.

Esse é um detalhe importante para praticamente todos os aspectos na atuação dos motoristas, como o controle de multas, o monitoramento de velocidade, o acompanhamento da curva de desgaste das peças, o nível de consumo, o índice de ociosidade e muito mais.

Invista em tecnologia

Embora seja possível gerenciar uma frota sem tecnologia, isso não significa que é recomendável. Afinal de contas, a tecnologia pode ser empregada em todos os fatores da sua operação, aumentando a transparência, a produtividade e a economia — o que foi evidenciado pela crise.

É por isso que é tão importante investir em tecnologia aplicada para a sua frota, tanto com a aquisição de novos veículos e rastreadores quanto com a contratação de soluções especializadas de gestão e controle, como softwares, monitores, plataformas e afins.

Por fim, vale destacar as consequências de operar sem o planejamento. Em nossa visão, operar sem a roteirização traz os mesmos impactos negativos de operar sem tecnologia. Seja no curto, seja no longo prazo, a operação começa a sofrer com baixa competitividade, altos custos e pouca eficiência.

Agora que você tem uma noção ampla sobre a importância do planejamento de rotas, aproveite para seguir aprendendo sobre o tema. Para isso, convidamos você a aprimorar o controle da sua operação, lendo o nosso post exclusivo sobre gestão de frotas!

suvesa mercado shopsPowered by Rock Convert
Você também pode gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.