Trocando de caminhão em 2019: 6 mitos e verdades

6 minutos para ler

Como todos sabemos, o segmento logístico é altamente competitivo, exigindo muita flexibilidade e competência tanto das frotas quanto dos motoristas autônomos. Com isso em mente, preparamos este post para elencar as principais curiosidades sobre a troca de caminhão em 2019.

Afinal de contas, boatos são fenômenos comuns em todos os mercados, mas nem sempre eles são verdadeiros. Pensando nisso, elaboramos este conteúdo de modo a separar os fatos das inverdades, apresentando os motivos reais para a modernização da sua frota. Acompanhe!

A necessidade da troca de caminhões

Antes de qualquer coisa, os caminhões são máquinas operacionais, ou seja, ferramentas de trabalho indispensáveis para os profissionais que dependem delas. Sendo assim, a aquisição desses veículos sempre deve ser compreendida como um investimento. A compra de caminhões novos, mais modernos e eficientes é, também, uma aplicação direta na sua capacidade de gerar recursos de maneira mais rápida e econômica.

Considerando isso, listamos o principal motivo que força os proprietários a trocarem de modelo: a idade. Caminhões antigos são prejudiciais ao faturamento mensal, apresentando um custo operacional muito alto em relação aos ganhos. No fim das contas, isso acaba esmagando a margem de faturamento do profissional, que tem gastos incompatíveis com os retornos. Para facilitar a sua decisão, compilamos três mitos e três verdades sobre esse momento. Veja só!

Os 3 mitos sobre a troca de caminhão

De certa forma, boatos são fenômenos contagiosos. Muitas vezes se formam a partir de uma curiosidade, dúvida ou suspeita, e com isso, crescem em proporção até tomarem a forma de uma verdade absoluta. Para contornar esses cenários, separamos os três principais mitos sobre o tema, esclarecendo a verdade em cada situação.

“Tecnologia não faz diferença nas estradas”

Essa ideia não poderia estar mais errada. Afinal de contas, é justamente a tecnologia mecânica a principal responsável pelo aprimoramento na segurança, comportamento dinâmico, performance e economia dos novos caminhões. Dizer que a tecnologia não faz diferença nas estradas é o mesmo que comparar um celular de 1999 ao seu smartphone de hoje.

De certo modo, a comparação tem o mesmo peso entre os caminhões, bastando comparar as especificações técnicas e de consumo de um caminhão com 20 anos de idade com qualquer modelo recente. Como resultado, você perceberá um abismo de vantagens entre as duas opções, em que a mais tecnológica sempre entregará mais conforto, eficiência e agilidade ao proprietário.

Como exemplo, podemos destacar os atributos técnicos que uma nova geração de caminhão pode entregar ao seu usuário, com vários diferenciais importantes, tais como:

  • redução de até 12% no consumo de combustível;
  • uma gama de motorizações convencionais de modernas entre 220 e 620 cavalos;
  • motorizações alternativas para GNV/Biometano de 280 a 410 cavalos;
  • airbag lateral anticapotamento que pode ser equipado em todas as versões;
  • aumento do espaço interno e melhoria da visibilidade durante a condução.

“O caminhão antigo não pode ser usado como entrada”

Errado! Tanto pode ser usado como entrada, que é também possível que ele seja mais valorizado nesse tipo de negociação. Esse é o tipo de boato que atrapalha o segmento, contribuindo para uma frota nacional mais antiga e, por consequência, insegura.

Infelizmente, modelos antigos são bombas-relógio, pois independentemente do seu grau de conservação, o caminhoneiro sempre precisará lidar com a severidade das estradas brasileiras, que demandam modelos mais modernos e preparados para arcar com as adversidades dos trajetos.

“O leasing não é uma boa opção”

Outro mito, que possivelmente foi inventado por alguém que nunca participou da modalidade. Soma-se a isso o fato de o leasing ainda não ser tão popular no país e temos a fórmula perfeita para que um boato se sustente! 

O leasing nada mais é do que uma modalidade de financiamento alugado do caminhão. Com prazos e taxas menores, ao final do parcelamento, o consumidor pode escolher se decide quitar e adquirir a máquina ou entrar em outro contrato. Tudo simples, acessível e sem mistérios!

As 3 verdades sobre a troca de caminhão

Em contrapartida, também é importante frisar a sabedoria popular que tem seu fundo de verdade. Para tanto, repetimos o padrão dos três mitos, reunindo três fatos sobre o tema. Dê uma olhada!

“Quanto mais antigo o caminhão, mais cara sua manutenção”

Essa é uma verdade técnica. Caminhões são conjuntos mecânicos que estão sujeitos a todo tipo de desgaste inerente ao uso e ao tempo. Sendo assim, os modelos mais antigos sempre estarão mais próximos do final do seu arco de durabilidade, com componentes mais frágeis e menos confiáveis conforme os anos avançam.

Independentemente da proteção e do carinho que se tenha pela máquina, o tempo é implacável em torná-la vulnerável. Com isso, você perceberá visitas mais constantes às oficinas, aumento do consumo de combustível e queda no faturamento, ocasionada tanto pelos gastos anteriores como pela ociosidade causada pelas quebras e manutenções, fazendo com que se perca trabalho e dinheiro.

“O mercado de seminovos está aquecido”

De fato, está! Isso aconteceu por conta de uma recente alteração nas diretrizes de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. O BNDES Finame passou a aceitar veículos com até 5 anos em seus requisitos para a liberação de crédito. Com isso, os profissionais passaram a ter acesso ao empréstimo da modalidade para a aquisição de seminovos, que embora não sejam zero km, ainda contam com a confiabilidade e a competência de um modelo novo.

“É preciso considerar o tipo de trabalho/frete”

Basicamente, essa é uma regra de mercado misturada com a sabedoria do senso comum. Os caminhões são máquinas de alto valor e justamente por isso não devem ser comprados na base do entusiasmo. A escolha deve ser racional, considerando todas as necessidades que deverão ser supridas pelo novo modelo.

Por fim, ainda vale lembrar a importância do planejamento financeiro no momento dessa compra. É fundamental que você pesquise as diferentes opções disponíveis, simulando planos de leasing, consórcio, financiamento e, até mesmo, a aquisição à vista.

Gostou deste artigo esclarecendo as principais dúvidas e curiosidades sobre a troca de caminhão em 2019? Então, aproveite para continuar atualizado sobre os melhores temas do segmento. Para tanto, assine a nossa newsletter!

Você também pode gostar

2 thoughts on “Trocando de caminhão em 2019: 6 mitos e verdades

Deixe um comentário